Bono fala sobre como a eleição do Donald Trump influenciou o próximo álbum do U2

Pouco antes de The Edge falar com a Rolling Stone, a revista enviou diversas perguntas via e-mail para o vocalista do U2, Bono. Como era um intervalo entre os shows o cantor não queria forçar sua voz conversando ao telefone.
.

Vocês passaram os últimos meses tocando o álbum The Joshua Tree em turnê enquanto também colocavam os toques finais no novo álbum. A turnê teve um impacto sobre como vocês pensaram Songs of Experience?

Há algumas razões pelas quais atrasamos o lançamento de Songs of Experience. Uma pessoal, uma política. O mundo à nossa volta que nós conhecíamos estava realmente mudando, quase perdemos a União Europeia, algo que ajudou a manter a paz na nossa região durante quase 70 anos. A globalização substituída pela localização é algo compreensível, mas o retorno de pontos de vista rígidos não é para ser tolerado.

O mesmo tipo de descontentamento nos Estados Unidos com a ascensão de um novo tipo de eleitorado, as pessoas na esquerda e direita que perderam a fé no processo político, o corpo político, em instituições políticas. Estes sentimentos são facilmente manipulados e executados pelos gostos de Donald Trump.

Pela primeira vez em muitos anos, talvez em toda nossa vida, o arco moral do universo, como o Dr. King costumava chamá-lo, não estava se inclinando na direção da justiça, igualdade e justiça para todos. A democracia é um desafio na história e requer muito foco e concentração para mantê-la intacta.

The Blackout se inicia falando sobre esta vida, sobre um apocalipse mais particular, alguns eventos na minha vida que mais me fizeram lembrar da minha mortalidade, mas depois segue para a distopia política para qual estamos indo agora. "Dinosaur, wonders why it still walks the earth. A meteor promises it's not going to hurt", teria sido uma linha engraçada sobre uma estrela do rock envelhecida. É um pouco menos engraçado se estamos falando de democracia e velhas certezas - como a verdade. O segundo verso "Statues fall, democracy is flat on its back, Jack. We had it all and what we had is not coming back, Zac. A big mouth says the people they don't want to be free for free. The blackout, is this an extinction event we see?". Vai direto ao grande quadro do que está em jogo no mundo agora.

Há uma música chamada Get Out Of Your Own Way, onde eu tentei usar alguma ironia para refletir a raiva nas ruas: "Fight back, don't take it lying down you've got to bite back. The face of liberty is starting to crack, she had a plan until she got a smack in the mouth and it all went south like freedom. The slaves are looking for someone to lead 'em, the master's looking for someone to need him. The promised land is there for those who need it most and Lincoln's ghost says get out of your own way".

Muitos de seus álbuns foram feitos com um único produtor ou uma equipe com Brian Eno e Daniel Lanois. Por que vocês mudaram isso e trabalham com tantos produtores diferentes em único álbum?

Desde The Joshua Tree, acho que não fizemos um álbum com menos de quatro produtores. Embora Flood não seja creditado como um produtor em Joshua Tree. Em Achtung Baby ele foi creditado como um produtor, juntamente com Eno, Lanois e Steve Lillywhite. Quatro produtores parecem ser o caminho para nós, um para cada membro da banda. A propósito, isso é uma piada. Acho que na verdade há cinco neste aqui.

Há alguns meses, você foi crítico em relação à produção em Songs of Innocence dizendo que faltava "coerência", "deveria ter sido mais cru" e que algumas das músicas funcionaram melhor ao vivo. O que vocês fizeram dessa vez para ter certeza que não aconteceria de novo?

Thomas Friedman em seu livro Thank You For Being Late fala de como as máquinas quando são colocadas em espera, cessam a produtividade, mas os seres humanos quando eles são colocados em espera, começam um tipo diferente de produtividade. A pausa em nosso álbum nos deu uma chance de tocar nossas músicas ao vivo no estúdio, deixá-las mais despidas para uma crueza essencial, sem qualquer truque de estúdio para ver o que realmente nós tínhamos.

No Tonight Show você adicionou letras para Bullet the Blue Sky que foram sem dúvida alguma para Trump. Significa que você se tornará (ainda mais) a voz sobre os perigos que ele representa para o mundo?

É um ponto de partida, sempre acreditei em trabalhar em todo este corredor estreito como um ativista contra a pobreza, mas isso não é uma questão de direita ou esquerda. Há um provocador no cargo querendo intimidar e o silêncio não é uma opção.

Quais são os temas comuns que unem as músicas em Songs of Experience?

Tento não falar muito sobre William Blake porque soa pretensioso citar um gigante literário, mas foi sua grande ideia que peguei para comparar a pessoa que nos tornamos através da experiência à pessoa que partiu em uma jornada. Se você está falando sobre a inocência, você provavelmente já a perdeu, mas acredito que no extremo da experiência, é possível recuperá-la com sabedoria. O pouco que eu tenho, queria colocar nestas músicas. Sei que o U2 entra em cada álbum como se fosse o último, mas mais ainda desta vez queria que as pessoas ao meu redor que eu amo, soubessem exatamente como me sentia. Então, muitas das canções são tipo cartas, cartas para Ali, cartas para meus filhos e filhas, na verdade nossos filhos e filhas.

Há uma canção chamada The Showman que é uma carta para o nosso público, é meio que sobre os artistas e como você não deve confiar muito neles. É sobre mim! Há uma linha engraçada, que particularmente acho engraçada: "I lie for a living, I love to let on but you make it true when you sing along?".

E uma que não percebi até muito mais adiante, que estava escrevendo para mim mesmo: The Little Things That Give You Away. Em todas essas músicas, que são tipos de conselhos, você está, naturalmente, pregando o que você precisa ouvir. Em Little Things, a inocência desafia a experiência: "I saw you on the stairs, you didn't notice I was there, that's cause you were busy talking at me, not to me. You were high above the storm, a hurricane being born but this freedom just might cost you your liberty".

No final da canção, a experiência se rompe e admite seus medos mais profundos, sendo chamada para por seu eu mais jovem, mais corajoso, mais ousado. Essa mesma conversa também abre o álbum com uma canção chamada Love Is All We Have Left. Minha linha de abertura favorita para um álbum do U2: "There's nothing to stop this being the best day ever". No segundo verso, a inocência adverte a experiência: "Now you're at the other end of the telescope, seven billion stars in her eyes, so many stars so many ways of seeing, hey, this is no time not to be alive".

É um momento arrepiante - no refrão que estava fingindo ser Frank Sinatra cantando na lua, uma canção de Sci-Fi inflamada: "Love, love is all we have left, a baby cries on the doorstep, love is all we have left".


Fonte: Rolling Stone
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Twitter: https://twitter.com/u2_vision
Facebook: https://www.facebook.com/U2VisionOverVisibility
Instagram: http://instagram.com/U2_Vision
Google+: https://plus.google.com/u/0/109901838418925515125/posts
YouTube: http://www.youtube.com/channel/UCOMXpAwoD6l3W5m4S1Odhmw
Dailymotion: http://www.dailymotion.com/U2_Vision
Vimeo: http://vimeo.com/u2vision
VK: vk.com/u2_vision
Tumblr: http://u2-vision.tumblr.com/
RSS: http://u2-vision-over-visibility.blogspot.com.br/feeds/posts/default?alt=rss
\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\ 

“É permitida a reprodução total ou parcial deste texto desde que obrigatoriamente citada a fonte.”

The Edge fala sobre Songs of Experience e a "experiência com a mortalidade" de Bono

O guitarrista do U2, The Edge, conversou com a Rolling Stone em Indianápolis, Indiana, sobre o longo caminho para Songs Of Experience, a turnê em arenas no próximo ano e a "experiência com a mortalidade" de Bono.
.

Vocês começaram a trabalhar em Songs Of Experience em 2014, e voltaram a fazer shows do seu lançamento. O mundo mudou muito desde então. Como isso mudou o foco e o propósito do álbum?

O que quisemos fazer foi voltar e ver como nos sentiríamos lançando o disco em um mundo que tinha dado uma grande guinada em uma direção diferente. Porém, as mudanças que ocorreram foram predominantemente nas letras, em alguns casos elas foram bastante sutis.

Como vocês escolhem entre as músicas? Qual é o processo?

Lentamente começamos a colocar as músicas base em seus lugares e depois preenchemos ao redor delas e obtemos as faixas para a identidade geral do álbum. Uma das melodias inovadoras foi The Lights in Front of Me, que agora é chamada de The Lights of Home.

No caso de You're The Best Thing About Me, estávamos realmente animados com mixagem que tínhamos há seis semanas. Então começamos a discutir sobre como iríamos tocá-la ao vivo e voltei para algumas demos antigas e encontrei uma que tinha feito em um momento em que estávamos experimentando ideias de arranjo diferentes. Foi uma experiência que não havíamos buscado e pensei: "esta seria uma boa abordagem se a gente tocá-la ao vivo", e foi o que fizemos no programa de Jimmy Fallon. É uma abordagem desenvolvida com algumas guitarras novas.

Então Bono entrou no estúdio para ouvi-la e disse: "É uma música melhor agora. Não posso explicar o por que, mas eu estou sentindo algo saindo disso". Então, trabalhamos rapidamente em dois dias para transformá-la em um single e levá-la a todos para a audição e considerações. Acabamos concordando que a simplicidade, a crueza disto, oferece um contrapeso para a letra e melodia, que é muito clássica. De alguma forma a música parece melhor - e foi feita totalmente de última hora.

Vocês já finalizaram o álbum?

Temos a ordem de execução definida, o título, mixagens que estão de acordo, pequenas nuances onde queremos fazer pequenas mudanças. Então, sim, está absolutamente pronto para ir para o último polimento. Estamos muito satisfeitos com ele.

Você falou sobre uma "experiência com a mortalidade" de Bono. Pode contar um pouco sobre isso?

Estávamos no processo de fazer o álbum e isso meio que influenciou a direção lírica e onde terminou. Foi uma citação vinda de Brendan Kennelly. Ele é um poeta irlandês e uma vez ele nos disse que sempre achou útil escrever como se você estivesse morto. A dedução é que isso livra você de ter que se justificar mais tarde ou ser delicado ou ser outra coisa senão uma expressão pura de sua essência e o que é crucial para você.

Bono pegou essa ideia e escreveu um monte dessas letras como cartas para certas pessoas que são pessoas muito importantes em sua vida, sendo os fãs do U2, sua família, amigos... Ele estava pensando: "se eu não estiver por perto, o que eu gostaria de deixar para trás?". Acho que claramente o levou a um lugar onde ele queria escrever sobre as coisas essenciais. Claro, no momento em que terminou o registro, o aspecto político começou a ser trazido novamente para ele, por isso tornou-se uma síntese de letras muito pessoais com referências políticas sobre o que está acontecendo.

As primeiras linhas de The Blackout falam "Um dinossauro se pergunta por que ele ainda caminha pela Terra". É sobre ser uma banda de rock em 2017?

Acho que é isso, mas ele também está falando sobre onde vamos a partir daqui e acho que há mais de um aspecto político e há também uma referência à Donald Trump. O que é divertido sobre algumas dessas músicas é que há duas músicas acontecendo quase em paralelo.

Vocês irão lançar este disco de uma maneira tradicional?

Neste momento estamos muito empenhados em lançar ele em cooperação com todas as partes interessadas no negócio de lançamento de música, ao invés de alguma nova experiência, como fizemos no último disco, encontrar uma única forma de lançamento e ficar por trás daquilo.

Então no dia do lançamento estará disponível no Spotify, Apple, Tidal...

Sim, estamos trabalhando com toda essa gente.

Sabemos que vocês irão voltar para as Arenas na turnê no próximo ano.

O que temos agora são fortes suposições de trabalho, em vez de um plano concreto. Tocaremos em arenas no próximo ano, promovendo o álbum. Vamos tocar na América do Norte e Europa e provavelmente mais longe também.

Já pensaram sobre o setlist, ou ainda está longe para isso?

Não estamos nessa fase. O que é interessante é que temos esses dois álbuns que são companheiros: Songs of Innocence e Songs of Experience. Poderíamos fazer uma turnê só com esses dois álbuns. Isso seria uma proposta interessante. Provavelmente não é o que nós vamos fazer, mas há opções muito interessantes para explorar. Gostaria de tocar Songs of Innocence novamente, porque não fizemos tantos shows da última vez como poderíamos ter feito, e acho que é um show que realmente funcionou. Adoraria fazer mais.

Vocês podem não tocar canções de The Joshua Tree para ser algo diferente na próxima turnê?

Se você realmente pensar sobre isso, seria uma boa ideia fazer uma pausa ao fim desta turnê. Temos um monte de músicas e gostamos de descansar elas de vez em quando, porque às vezes elas começam à ir para um lugar onde começam a perder a sua ressonância mais profunda. O aspecto emocional de qualquer canção do U2 é o ponto de partida. Você nunca quer estar em uma situação em que você está tocando uma música em que se sente como se estivesse fazendo isso por rotina.

Este ano é o 20º aniversário do álbum POP. Você está ciente do culto que cresceu em torno dele na comunidade de fãs do U2?

Amo o disco e acho que há algumas grandes coisas nele. Mas no momento em que foi lançado, nos escapou um pouco porque foi feito de forma apressada. Já tínhamos marcado a turnê e se tivéssemos mais tempo acho que todos nós sentimos que teria sido melhor finalizado. Começamos tentando fazer um disco de cultura dance e, em seguida, percebemos que no final havia coisas que podíamos fazer que nenhum produtor de música eletrônica EDM ou artistas poderia fazer, então resolvemos tentar e obter as duas maneiras. Nesse caso, provavelmente fomos longe demais na outra direção. Nós provavelmente precisávamos permitir um pouco mais da eletrônica para sobreviver.

Canções como Please e Gone envelheceram muito bem.

Amo essas duas músicas. Gosto até mesmo de Wake Up Dead Man. Adoro essa melodia. Uma das músicas que eu estava tentando persuadir todos a tocar na última turnê foi The Playboy Mansion. POP é um grande disco. Estava muito orgulhoso dele até o final da turnê. Finalmente descobrimos isso quando fizemos o DVD. Foi um show incrível que estou realmente orgulhoso.


///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Twitter: https://twitter.com/u2_vision
Facebook: https://www.facebook.com/U2VisionOverVisibility
Instagram: http://instagram.com/U2_Vision
Google+: https://plus.google.com/u/0/109901838418925515125/posts
YouTube: http://www.youtube.com/channel/UCOMXpAwoD6l3W5m4S1Odhmw
Dailymotion: http://www.dailymotion.com/U2_Vision
Vimeo: http://vimeo.com/u2vision
VK: vk.com/u2_vision
Tumblr: http://u2-vision.tumblr.com/
RSS: http://u2-vision-over-visibility.blogspot.com.br/feeds/posts/default?alt=rss
\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\ 

“É permitida a reprodução total ou parcial deste texto desde que obrigatoriamente citada a fonte.”

U2 cancela show no Missouri após tensos protestos

A banda de rock U2 cancelou um show marcado para este sábado, 16 de setembro, em St. Louis, no Missouri, onde a polícia disse estar sobrecarregada devido às manifestações desde sexta-feira pela absolvição de um ex-policial branco pela morte de um homem negro. A banda irlandesa e a empresa de entretenimento Live Nation anunciaram o cancelamento do show em um comunicado, argumentando preocupação pela segurança de seus fãs.
.

"Fomos informados pelo Departamento de Polícia de St. Louis que não estão à disposição para dar a proteção habitual a nosso público, como seria esperado em um evento desta magnitude", disseram. "Não podemos colocar em risco a segurança de nossos fãs oferecendo o show desta noite. Apesar de lamentarmos muito o cancelamento, sentimos que é a única opção aceitável na situação atual".

Na sexta-feira, um juiz de St. Louis absolveu o ex-oficial de Polícia Jason Stockley das acusações de assassinato de Anthony Lamar Smith, suposto traficante de drogas que morreu após uma perseguição policial em 2011. Centenas de pessoas foram às ruas para se manifestar pacificamente depois do veredicto, mas a situação ficou violenta na sexta à noite e as forças de ordem utilizaram bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Dez policiais ficaram feridos e 23 pessoas foram detidas durante os acontecimentos, segundo a polícia local.

O cantor Bono lamentou pelo ocorrido através do perfil da banda no Instagram: "Profundamente entristecido com o que aconteceu em St. Louis e por termos que cancelar o show esta noite. Eu me encontrei lendo o discurso do Dr.(Martin Luther) King na Catedral Nacional e me perguntei se isso é 1968 ou 2017?", questionou.
.


Fonte: Correio do Povo

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Twitter: https://twitter.com/u2_vision
Facebook: https://www.facebook.com/U2VisionOverVisibility
Instagram: http://instagram.com/U2_Vision
Google+: https://plus.google.com/u/0/109901838418925515125/posts
YouTube: http://www.youtube.com/channel/UCOMXpAwoD6l3W5m4S1Odhmw
Dailymotion: http://www.dailymotion.com/U2_Vision
Vimeo: http://vimeo.com/u2vision
VK: vk.com/u2_vision
Tumblr: http://u2-vision.tumblr.com/
RSS: http://u2-vision-over-visibility.blogspot.com.br/feeds/posts/default?alt=rss
\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\ 

“É permitida a reprodução total ou parcial deste texto desde que obrigatoriamente citada a fonte.”

U2 lança You’re the Best Thing About Me, música sobre amores complicados

O U2 divulgou nesta quarta, 6 de setembro, You’re the Best Thing About Me, o reluzente primeiro single do próximo disco de inéditas da banda, Songs of Experience.
.

Em uma entrevista ao programa No Ar, da Rádio Globo, o baixista da banda, Adam Clayton, comentou o lançamento. "Essa música é sobre o Bono falando do longo relacionamento com a esposa Ali Hewson, mas ao mesmo tempo tem uma universalidade, porque fala da banda, do nosso público", diz ele. "Então, é multifacetada, tem o som universal que sempre nos atraiu".
.

The Edge falou sobre a canção para Xavi Martínez dos LOS40 da Espanha: "Bono estava escrevendo as letras e sua vida passou por um desafio pessoal muito importante. Ele não tinha certeza de quanto tempo iria ficar entre nós. Foi muito sério, muitas de nossas letras são mensagens pessoais para pessoas importantes em nossas vidas. Esta era uma canção para Ali. É um assunto pessoal muito difícil. Esta canção é bonita e alegre e com uma letra muito mágica e muito emotiva".

"O mundo está explodindo e estou escrevendo uma música sobre minha namorada. Olhamos para isso como: qual é o objetivo de lançar um novo álbum do U2? É bom que tenha algo a dizer então! Esta é uma das canções mais pessoais, mas é uma espécie de história em quadrinhos do seu jeito e é um sonho que tive onde eu havia destruído algo que é mais importante para mim - meu relacionamento. Acordei e estava na lama. Contei para minha esposa e ela começou a rir de mim", disse Bono em entrevista no The Kevin & Bean Show.
.

Dave Fanning da RTE também comentou o primeiro single de Songs of Experience: "É, obviamente, Bono escrevendo sobre a melhor coisa em sua vida, sua esposa Ali. O álbum inteiro é uma série de cartas. Bono escreveu cartas a seus filhos, para Ali e para o mundo. Há uma canção sobre a Síria também. Eles querem que as pessoas ouçam a sua música. Foi por isso que deram o álbum anterior de graça para 500 milhões de usuários do iTunes. Muita gente se irritou, mas isso maravilhoso".

You’re The Best Thing About Me é a segunda faixa divulgada recentemente pelo U2. No fim de agosto, a banda soltou The Blackout, em uma versão ao vivo, acompanhada por um vídeo em preto e branco de uma performance em um show


Fonte: Rolling Stone

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Twitter: https://twitter.com/u2_vision
Facebook: https://www.facebook.com/U2VisionOverVisibility
Instagram: http://instagram.com/U2_Vision
Google+: https://plus.google.com/u/0/109901838418925515125/posts
YouTube: http://www.youtube.com/channel/UCOMXpAwoD6l3W5m4S1Odhmw
Dailymotion: http://www.dailymotion.com/U2_Vision
Vimeo: http://vimeo.com/u2vision
VK: vk.com/u2_vision
Tumblr: http://u2-vision.tumblr.com/
RSS: http://u2-vision-over-visibility.blogspot.com.br/feeds/posts/default?alt=rss
\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\ 

“É permitida a reprodução total ou parcial deste texto desde que obrigatoriamente citada a fonte.”

U2 revela nova música: The Blackout

Uma música nova do U2 enfim foi lançada. The Blackout, publicada pela banda na página oficial do Facebook, ganhou vida nesta quarta, 30 de agosto, em um vídeo em preto e branco.
.

A faixa deve integrar Songs of Experience, o próximo disco do U2, que dá sucessão a Songs of Innocence, lançado em 2014. The Blackout antecipa o lançamento do primeiro single oficial do novo álbum, chamado You’re the Best Thing About Me e previsto para o dia 6 de setembro.
.

The Blackout

Dinosaur wonders why he still walks the Earth
A meteor promises its not gonna hit
Earthquake always happen when you're in bed
The house shakes, maybe it was something I said

Go easy on me, easy on me, brother
Go easy on me, easy on me now

When the lights go out
Throw yourself about
In the darkness where you learn to see
When the lights go out
Don't you ever doubt
The light that we can really be

Statues fall and democracy is flat on it's back, jack
We had it all, and what we had is not coming back
A big mouth says the people they don't wanna be free for free
The blackout is this an extinction event we see

When the lights go out
Throw yourself about
In the darkness where you learn to see
When the lights go out
Don't you ever doubt
The light that we can really be

When the lights go out
When the lights go out
When the lights go out

Blackout
It's clear
Who you are will appear
Blackout
No fear
So glad that we are all still here
The lights go out..

When the lights go out
When the lights go out

When the lights go out
Throw yourself about
In the darkness where you learn to see
When the lights go out
Don't you ever doubt
The light that we can really be


Fonte: Rolling Stone

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Twitter: https://twitter.com/u2_vision
Facebook: https://www.facebook.com/U2VisionOverVisibility
Instagram: http://instagram.com/U2_Vision
Google+: https://plus.google.com/u/0/109901838418925515125/posts
YouTube: http://www.youtube.com/channel/UCOMXpAwoD6l3W5m4S1Odhmw
Dailymotion: http://www.dailymotion.com/U2_Vision
Vimeo: http://vimeo.com/u2vision
VK: vk.com/u2_vision
Tumblr: http://u2-vision.tumblr.com/
RSS: http://u2-vision-over-visibility.blogspot.com.br/feeds/posts/default?alt=rss
\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\ 

“É permitida a reprodução total ou parcial deste texto desde que obrigatoriamente citada a fonte.”